Páginas

quinta-feira, 17 de junho de 2010

A cidade da Festa do Peão

- Onde você mora?
Em Americana, interior de São Paulo.
- Mas o que tem aí? A cidade é famosa em que?
Bem, a cidade é um importante pólo têxtil do Brasil, mas deve ser mais conhecida por abrigar a segunda maior Festa do Peão do país.
- Hum, interessante. (Fim de papo)

Pois é, Americana é mais conhecida pela festa do boi do que qualquer outra coisa. Muitos vêm de fora para prestigiar os shows de artistas renomados no cenário musical brasileiro, que acontecem no mês de junho. Mas o que a cidade ganha com isso?

Bem, meu bairro, por exemplo, está localizado onde é o recinto da festa. Aqui você já escuta muitas opiniões contrárias sobre o evento. Enquanto uns adoram o “agito”, outros não suportam conviver com o barulho do som altíssimo que é entoado das 20h até pouco mais de 4h da madrugada em uma noite de festa. Sem contar que nesse período o bairro recebe muitos forasteiros, que chegam aqui para viver dez dias de comércio, quando não, para traficar ou roubar.

A Festa do Peão daqui também esquenta o comércio – ponto positivo. Porém, as muitas botas e chapéus vendidos são à prestação, e representam a conta de produtos que serão utilizados só enquanto o evento acontece.

Dentro do recinto, o que se vê é uma festa muito democrática. Esse ano, por exemplo, soube que as quatro filhas do dono de um dos mais importantes bancos brasileiros estavam na festa. Elas curtiram o show que estava sendo financiado por um mercado, com isso, misturaram-se no meio de 40 mil pessoas que compraram seus ingressos a cinco reais.

Entra ano e sai ano, as notícias mais comuns durante o evento são: os maus tratos com os bois, os muitos roubos, furtos e brigas. Contudo, nesse ano Americana contou com um fato inusitado - um homem agarrou e beijou uma garota de noves anos, que estava acompanhada dos pais. O camarada foi preso antes mesmo de acabar o show daquela noite. Triste não? Os peões, cada vez mais bêbados, vão à festa pra pegar geral, e as mulheres não deixam por menos, dão minutos de prazer aos mágicos, que as beijam e desaparecem. Salvo as raras exceções - que vão à festa para curtir o show, ver o rodeio, ou fazer a alegria da namorada/o; o que resta são as piriguetes, os paquitões, as mal amadas e os caras que desejam mesmo encher a cara.

Falo tudo isso porque ir à Festa do Peão era um dos meus maiores sonhos quando tinha sete anos. Hoje, com 20, digo que é um pesadelo muitos momentos em uma noite de evento – seja na hora que você precisa utilizar o banheiro ou na entrada para a arena, quando cerca de cinco pessoas passam simultaneamente em uma portinha de pouco mais de um metro. Por fim, como já descrito no início deste texto – Americana é conhecida por tal festa, e recebe muitos investimentos para não perder essa fama. No entanto, os americanenses carecem de mais opções de lazer – fato!

Um comentário:

Dayane disse...

Fato, fato, fato!!!!! Depois reclamam da juventude dos postos de gasolina. A Juventude de Americana carece - dentre tantas outras mil coisas - de lazer e de CULTURA. Sabemos que um teatro por exemplo atrai menos a juventude do que um show do tal Luan Santana, porém, é preciso uma análise menos superficial a tal realidade, qual é o incentivo e contato com a cultura - expressões de arte, musica popular brasileira - que se tem direcionada às crianças, aos jovens? Os espaços a TV concedidos são utilizados pra infiltrar nas mentes aquilo que eles querem, e alcança seu objetivo, contagia 80% de uma população. Taí os influenciados pela mídia. Movidos a BBB, e tantas outras futilidades.

Ótimo texto Dom Juan!
Não sabia desse fato da menina de 09 anos, cara que absurdo!!!!!

Lamentável..